A otite externa é uma infecção da região da orelha externa, revestida por pele e constituída pelo pavilhão auricular e o conduto auditivo externo que termina numa membrana chamada tímpano. Sua função é localizar a fonte sonora, amplificá-la e levá-la até a segunda região, a orelha média, onde se localiza a tuba auditiva, ou trompa de Eustáquio, que estabelece ligação com o nariz. Na orelha média, o som é amplificado mais ainda, até atingir a orelha interna formada pela cóclea e os canais semicirculares (ou labirinto). Infecção na orelha média é chamada de otite média.

Causa
A otite média aguda é uma infecção por bactérias e vírus que provoca inflamação e/ou obstruções que se não for tratada pode levar à perda total da audição. Costuma ocorrer durante ou logo após gripes, resfriados, infecções na garganta ou respiratórias. É um tipo de otite comum em crianças, mas pode ocorrer em pessoas de qualquer idade.

Sintomas

Os principais sintomas são: dor muito forte, diminuição da audição, febre, falta de apetite, secreção local. Nos casos mais graves, pode ocorrer a ruptura da membrana do tímpano e ser eliminada uma secreção purulenta misturada com sangue.

Diagnóstico

O diagnóstico se baseia no levantamento dos sintomas e no exame do ouvido com aparelhos específicos como o otoscópio e o microscópio.

Vacinas

Vacinas contra o Haemophilus influenzae e o Streptococcus pneumoniae protegem as crianças de uma série de infecções menores, entre elas a otite média e a amidalite. Especialmente a vacina contra o pneumococo, consegue reduzir a incidência de otite em 6% ou 7% da população infantil.

Tratamento

O tratamento requer o uso de antibióticos e analgésicos. Em dois ou três dias, a febre desaparece, mas a audição pode leva mais tempo para voltar ao normal. Se a perda auditiva não regredir, pode ser sinal de secreção retida atrás da orelha média, que será retirada cirurgicamente através de uma pequena incisão no tímpano.

Recomendações
* Procure atendimento médico sempre que você ou seu filho/a tiver dor de ouvido para prevenir complicações mais sérias;
* Não se automedique nem siga sugestões de conhecidos para aliviar a dor de ouvido;
* Proteja o ouvido contra a entrada de água;
* Evite o uso de cotonetes que podem retirar a cera protetora do ouvido ou machucá-lo;
* Limpe, com freqüência, as secreções nasais provocadas por gripes e resfriados, para evitar que o catarro se acumule no nariz e na garganta. Essa recomendação vale especialmente para em bebês e crianças pequenas;
* Não amamente seu bebê deitado. Essa posição favorece a entrada de líquidos em sua tuba auditiva;
* Vacine seu filho contra a gripe.

E lá vamos nós, cuidar com amoxilina e anti-térmico. Depois de 10 dias de tratamento, sarou. Será???!!!

Depois de 3 dias bem, eis que surge febre novamente, tosse, nariz entupido, meu Deus, me desculpe os "polidos" mas tá foda!!!kkk

Liguei no dia seguinte pra PED e disse tudo o que estava acontecendo. Porém aparentemente além da catarrera não via nenhum sinal diferente de um resfriado. Foi então que disse que a Cat estava rouca, não em todos os momentos do dia, mas em algumas palavras notei a rouquidão. E foi essa percepção que deu o novo diagnostico, dessa vez LARINGITE.

Para ampliar o conhecimento médico-pediátrico, desta vez o texto é do Baby Center


A laringite é uma doença viral comum em crianças, caracterizada pelo surgimento súbito da "tosse de cachorro" ("tosse ladrante", no termo médico). Embora a doença não seja em princípio grave, em crianças pequenas ela pode provocar inchaço na laringe e na traquéia, na região da garganta, obstruindo a passagem de ar pelas vias aéreas e dificultando a respiração. 

A laringite afeta principalmente crianças de 6 meses a 3 anos, mas pode ocorrer em crianças mais velhas. As épocas de maior ocorrência são o outono e o inverno. 

Quais são os sintomas?

A tosse é muito característica, e se parece mesmo com o latido de um cachorro, ou às vezes com o som emitido por uma foca. Ela surge na maioria das vezes no meio da noite. Na maioria dos casos, no entanto, a doença é menos grave do que parece pelo som da tosse. A criança também pode ficar rouca e ter febre baixa. 

O mais comum é você ser acordada de madrugada e descobrir que o resfriadinho do seu filho virou uma tosse horrenda. É bem provável que seu filho esteja acordado, sentado, assustado com a tosse. O choro da criança piora a situação, por isso o melhor é tentar acalmá-la e ajudá-la o mais rápido possível. 

O consolo é que a laringite costuma ser pior nas duas ou três primeiras noites, e normalmente vai embora sozinha depois de uma semana. 

Como se trata a laringite?

Como a laringite é causada por vírus, não adianta dar antibiótico. Mas dá para aliviar bem os sintomas com soluções caseiras: 

• Ligue o chuveiro na temperatura mais quente possível e feche a porta do banheiro, transformando-o numa "sauna". 

• Entre no banheiro com a criança e fique lá pelo menos 15 minutos, tentando acalmá-la. Vale ler uma história ou cantar para ela. O vapor vai ajudar a amenizar a tosse e talvez ela consiga dormir de novo. 

• O ar frio também parece reduzir o inchaço nas vias aéreas, por isso você pode abrir uma janela e deixar a criança respirar um pouco o ar fresco da noite. 

• O uso de um vaporizador (siga as orientações do pediatra para a limpeza do aparelho) ou a inalação com soro fisiológico também podem ajudar. 

• Dê bastante líquido para seu filho. 

Não dê xarope, pois esse tipo de remédio não alivia a tosse causada por laringite. 

Quando preciso procurar o médico?

Se você estiver assustada, com a impressão de que a garganta do seu filho vai fechar, telefone imediatamente para o médico ou leve a criança ao pronto-socorro, mesmo que seja no meio da madrugada. 

Procure atendimento rápido se a criança estiver fazendo muito barulho para respirar mesmo em repouso. Esse barulho ocorre quando ela inspira, e é chamado de "estridor laríngeo" -- um sinal de alerta. Busque atendimento se os tratamentos caseiros não adiantarem ou se a febre passar de 39 graus. 

Excesso de baba pode ser também um sinal de alerta para uma doença mais grave, causada por bactérias, chamada epiglotite (a vacina contra o Haemophilus influenzae praticamente eliminou a epiglotite, felizmente). 

O médico pode receitar algum tipo de medicamento corticosteróide ou então uma inalação com remédios. Se achar que o caso é mais grave, pode orientar você a levar seu filho ao pronto-socorro.

Agora fica a pergunta, quando virá a próxima doença...Espero que desta vez demore mais!!! Socorroooooo.