sexta-feira, 29 de março de 2013

Crosta Láctea

A crosta láctea não é mais do que uma forma de dermatite seborreica exuberante que ocorre na infância. Esta situação é muito comum nos bebês e caracteriza-se pelo aparecimento de escamas ou crostas amareladas, brancas ou cinzas, oleosas, sobrepostas, que aderem fortemente à pele mas que não dão comichão, e que se formam devido à excessiva atividade das glândulas sebáceas que acabam por obstruir os poros.

Crosta Láctea - Google Imagens

Em regra, surge nas primeiras semanas de vida e desaparece por volta dos 9 meses de idade e, nada tem a ver com uma má higiene no bebê nem com a caspa no adulto, apesar do nome também nada tem a ver com o leite.

A crosta láctea também pode surgir noutros locais tais como nas orelhas, sobrancelhas ou nariz. Pode ainda surgir no peito, nádegas ou dobras da pele.

Na Catarina, apareceu depois do primeiro ano de vida, bem no topo da cabeça. No começo pensei que fosse resíduo de shampoo, porque ela mal deixa enxaguar a cabeça direito. Li vários relatos de mães sobre isso, desde aquelas que com indicação pediátrica usaram shampoo anti-caspa como da Klinse, Babe e que convenhamos são bem carinhos.

Minha idéia foi a principio fazer o simples e barato, para depois partir para os shampoos específicos caso não desse jeito. Como gosto muito dos produtos da Mustela, tinha escolhido o Stelaker, mas nem foi preciso comprar e acabei economizando uns tostões...kkk.

A dica é a seguinte, passar óleo de amêndoas (há quem use também vaselina, óleo mineral, óleo Johnson) uns 15 minutinhos antes do banho, para amolecê-las. Pegue um algodão bolinha, enxarque com o óleo e aperte nas regiões das casquinhas. No banho, com o shampoo habitual esfregue delicadamente a cabeça, enxugue e passe um pente fino. Vai percerber que boa parte das casquinhas já saem na primeira aplicação. O cabelo mesmo lavando com shampoo fica um pouco oleoso, mas some na próxima lavagem.

No caso da Cat, fiz este procedimento duas vezes e saiu tudinho!!! E melhor, não voltou mais a aparecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário